modernização: respeitar o original atualizando-o

As cartas são disponibilizadas com o seu contexto e são transcritas e modernizadas seguindo estes critérios:


“Transcrição quasi-paleográfica, normalizando-se apenas a fronteira de palavra (exceto no caso das formas enclíticas) e a distribuição das letras «i», «j», «u» e «v». Quanto aos sinais de mudança de linha, foram todos suprimidos para facilitar operações de busca automática. As conjeturas do editor surgem entre parênteses retos e as leituras difíceis foram assinaladas com contraste de cor. As formas emendadas nos originais manuscritos estão rasuradas com um traço sobreposto, e as formas acrescentadas nos mesmos originais transcreveram-se na entrelinha superior. Nos casos em que acresce uma Edição Modernizada, conservaram-se apenas os arcaísmos e regionalismos, ambos assinalados a itálico. Normalizou-se a grafia das restantes formas e introduziu-se a pontuação própria da ortografia do português contemporâneo.” 

PostScriptum2

Consultamos frequentemente os manuscritos originais e são discutidas em grupo, diariamente, as leituras possíveis de forma a modernizar apropriadamente o conteúdo das cartas. Temos sessões de paleografia frequentes para discutir ortografias difíceis e outros casos de maior complexidade.

4 thoughts on “modernização: respeitar o original atualizando-o

  1. A conciliação de mecanismos digitais com o aprofundamento de conhecimentos paleográficos tem sido uma enorme mais-valia para este projeto. Ademais, é particularmente útil a partilha que se tem fomentado semana após semana, para mais com uma equipa tão variada!

  2. .Para los documentos lingüísticamente muy marcados, por su tipología o por otras características diastráticas, diafásicas o diatópicas, me parece que vuestra solución es idónea: la triple presentación preserva la información “cara” a los filólogos pero abre el abanico de accesibilidad a otros usuarios, entre los que deberíamos pretender que estuviera incluso el mero lector curioso. Un intento de triple acceso, en ese sentido, lo hemos ensayado nosotros en Foruondarea En cuanto al tema de las enmiendas, en los documentos con fuertes peculiaridades, como decís –vulgarismos, dialectalismos- otra solución visual para diferenciar la lección del testimonio de la del enmendador es la alternativa que nosotros probamos en algunos textos de Poza, por ejemplo en La libra, y que permite siempre un acceso en superficie a un texto no enmendado

    • Boa ideia, Carmen! E muito obrigada pelos links, já fui espreitar.
      Sim, concordamos que é muito importante deixar o texto preparado para ser lido por diferentes públicos.
      Para além do texto normalizado (no nosso futuro site, a versão original e a versão normalizada vão estar acessíveis na mesma área, sendo que, quando passamos o cursor em cima de uma palavra editada, surge uma tooltip com a versão original, ou vice-versa), onde são também marcados regionalismos e diacronismos, é muito bom ter diversas outras camadas de análise linguística: anotação POS, anotação sintática e ainda as palavras-chave. Este último caso parece-nos ser muito útil para leitores e investigadores que não estejam tão familiarizados com a terminologia utilizada nesses sistemas de anotação. Tudo isto é ainda um gigantesco e muito entusiasmante work in progress :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>