modernização: respeitar o original atualizando-o

As cartas são disponibilizadas com o seu contexto e são transcritas e modernizadas seguindo estes critérios:


“Transcrição quasi-paleográfica, normalizando-se apenas a fronteira de palavra (exceto no caso das formas enclíticas) e a distribuição das letras «i», «j», «u» e «v». Quanto aos sinais de mudança de linha, foram todos suprimidos para facilitar operações de busca automática. As conjeturas do editor surgem entre parênteses retos e as leituras difíceis foram assinaladas com contraste de cor. As formas emendadas nos originais manuscritos estão rasuradas com um traço sobreposto, e as formas acrescentadas nos mesmos originais transcreveram-se na entrelinha superior. Nos casos em que acresce uma Edição Modernizada, conservaram-se apenas os arcaísmos e regionalismos, ambos assinalados a itálico. Normalizou-se a grafia das restantes formas e introduziu-se a pontuação própria da ortografia do português contemporâneo.” 

PostScriptum2

Consultamos frequentemente os manuscritos originais e são discutidas em grupo, diariamente, as leituras possíveis de forma a modernizar apropriadamente o conteúdo das cartas. Temos sessões de paleografia frequentes para discutir ortografias difíceis e outros casos de maior complexidade.